Amor, amor, amor - Parte 1

by - 21:50

Olá criaturas divinas,

Pra quem acompanha meu blog, sabe que muita coisa louca já aconteceu na minha vida hahaha Mas sério, o jeito que as coisas estão acontecendo... só sei que preciso escrever. Preciso me expressar. Compartilhar.
Sinto que finalmente eu sei como escrever o livro sobre a teoria. Sinto que finalmente entendi como tudo me levou até o agora. Sinto como se estivesse mais lúcida e consciente sobre minha própria história e sinto que estou mais aberta para aprender e integrar ainda mais informação. E tudo isso porque eu finalmente senti o tamanho da força da minha intuição, o poder de materialização da Kundalini, e a grandeza do Amor Incondicional.



Tudo começou há dois anos atrás. Vocês precisam ler o post: O antes do meu despertar
Estava em crise, perdida. O banho em que chorei ouvindo a música "your life" foi uma limpeza profunda, mas mais do que isso, foi quando recebi uma mensagem do meu anjo. Foi ali, em meio a lágrimas e redenção, que me veio o trecho de uma música autoral... uma prece que virou meu primeiro mantra da primeira meditação: "God, help me to be myself". Minha vida mudou depois desse dia.
Pra quem quiser ver na íntegra o post sobre a minha primeira meditação vale a pena para se situar! Foi esse post que mudou todo o curso do blog, foi com ele que decidi fazer desse espaço um lugar de compartilhamento de experiências de luz. Foi usando esse primeiro mantra que toda a teoria começou a ser canalizada. Tudo porque eu tive aquela crise no banheiro, ouvindo aquela música e adivinha o que eu fiz? Mandei uma mensagem no insta do cantor agradecendo, falando da minha situação, que eu vivia me sabotando, mas que gostaria muito de cantar um dia e que a música dele me ajudou de uma forma surreal. Falei de como me conectava com as letras que ele escrevia, e que elas estavam me ajudando a encontrar amor em mim.
Passou-se 5 dias e nada... Eis que estava com a minha amiga Andresa e ela sabia que eu tava nessa onda de meditação. Na brincadeira ela falou "Evy, por que você não imagina sua energia dando um cutucão nele?? hahah" E eu "ok." Vi minha energia saindo de mim, atravessando toda a distância e chegando até ele. Acredita no que aconteceu? Nesse mesmo dia ele me respondeu pela primeira vez. Lembro que estava comendo espetinho com a Andresa (na época ainda comia carne) e a gente ficou chocada. Ela até chorou de emoção. Por quê? Porque eu sabia que aquilo significava algo muito além do que eu podia explicar, e minha amiga sentiu isso também. Isso foi em maio de 2016.
Eu estava surtando por dentro. Eu escutava a música desse ser todos os dias nessa época hahaha Inclusive, pra quem está curioso, faça esse favor pra você mesmo e escute o álbum: Sincerely - Album
Lembro que uma das primeiras coisas que ele me disse foi "é difícil amar você mesmo! Tente colocar suas mãos no seu coração, fechar seus olhos, e perceber que seu coração te ama porque ainda está batendo".
Esse conselho era tudo que eu precisava. Afinal, o coração é o centro, é o portal, é onde tudo se conecta. E realmente, cada batida é um "eu te amo" da nossa essência para nós mesmos.
Bom, depois disso fiquei curiosa e li o blog dele, foi nesse momento que me apaixonei. Sim, eu me apaixonei de verdade pelo jeito que ele escrevia e se expressava. Então essa criatura passou a ser o meu "crush supremo". Foi aí que começaram os sonhos... eu sonhei com ele por dois anos... E todo sonho que eu tinha era muito forte. Lembro que sentia claramente a energia da presença dele e a gente sempre acabava se beijando, rindo ou brincando. Ok, por mais idiota que eu me sentia por estar apaixonada por alguém "impossível" eu não conseguia deixar de sentir aquilo. Era algo 100% real pra mim, tanto que todos que conviviam comigo sabiam dele, inclusive meus pais e as pessoas que me relacionei nesse meio tempo. Porém, mesmo que isso estivesse acontecendo no background, eu estava completamente focada no meu processo de autoconhecimento. A teoria estava vindo, as meditações ficaram mais fortes, as informações chegavam com mais facilidade, as experiências espirituais continuavam a acontecer e eu estava sedenta por mais, mergulhava em mim e estava pronta para encarar as mais profundas sombras para resgatar minha luz.
Até que um belo dia, após uma meditação, eu estava na cama absorvendo tudo que tinha acabado de experienciar e do nada fui tomada por uma visão muito clara: eu estava numa praia e o Stephen estava de branco sorrindo muito pra mim. Essa visão me inundou de Amor. Foi um flash, um lampejo, um relâmpago que me encheu de um amor que eu nunca havia experimentado antes. E naquele momento, a paixão morreu e deu espaço para esse sentimento ainda mais forte. Naquele momento eu sabia que esse amor iria acontecer, já estava acontecendo.
Um sonho foi marcante. Sonhei que estava com a mãe dele e nós estávamos preocupadas. O Stephen parecia muito bravo e triste, entrou no carro e não disse uma palavra. Fui contar sobre o sonho e ele disse que era "estranhamente preciso". Foi nessa época que ele ficou doente, teve que parar de gravar o segundo álbum e voltar para a casa dos pais para se cuidar. A única coisa que eu consegui pensar para ajuda-lo foi mandar energia. Essa foi a primeira vez que a gente se viu pelo Facetime, numa noite de lua cheia, minha guia me energizou para que pudesse enviar essa energia de luz para ele. Ele colocou a mão esquerda no terceiro olho para receber e eu mandei energia através da minha mão direita. Lembro que quando acabamos, ele disse ter se sentido abençoado. Quando desliguei, a Andresa saiu do quarto chorando saltitante porque a gente finalmente tinha se "visto" e conversado de verdade. Eu nem sei como consegui falar com ele na real hahaha Mas vida que segue, vida que seguiu...
Eu precisava não focar em nenhum relacionamento para focar no meu relacionamento comigo mesma. Mas a verdade é que o despertar é solitário e eu queria gente por perto que entendesse o que eu estava passando. Em uma das minhas meditações, pedi para que atraísse pessoas que pudessem me agregar espiritualmente e eis que meu pedido foi concedido.
Em junho de 2016, o Angelo veio para São Paulo, um grande amigo até então, mas desde a primeira vez que o vi também senti uma ligação muito forte. Eu e ele fomos para um Sabbat de Samhain, e o ritual foi voltado para cortarmos o que nos prendia, deixar morrer para renascer. Inclusive fiz um post sobre esse ritual aqui também: post. Foi um dia mágico, mais um dia de lua cheia. Nós ficamos pela primeira vez, choramos, rimos e descobrimos que sim, nós nos amávamos, um amor inocente e puro como de uma criança. Lembro de ter ido no oráculo de Pachamama nesse ritual e ela falar da minha força, que eu precisava resgatá-la. E precisava mesmo. Ainda me sentia muito insegura para assumir meu propósito. No dia seguinte, eu e o Angelo estávamos ainda nos sentindo num filme. Era tudo tão lindo com ele ao meu lado... A gente se emocionava o tempo todo. E então ele foi embora e eu guardei essas memórias com muito, muito amor.  
Em novembro, conheci dois amigos na noite de maior lua cheia do século e nós conversamos por horas sobre espiritualidade. Até que dias depois, conversando com o Sam debaixo das estrelas, nós decidimos encostar testa com testa, terceiro olho com terceiro olho, e foi uma experiência espiritual muito forte. Parecia um íma, uma viagem ao centro do universo, uma projeção astral, sei lá. E quando terminamos, o meu cachorro ficou latindo estranho para um canto perto da gente e na hora eu senti que seres espirituais estavam ali nos observando. Essa conexão que a gente teve me fez querer mais, mas antes de qualquer coisa acontecer eu sabia que precisava ser 100% honesta com ele e, principalmente, ser completamente fiel a mim mesma. Então, desde o início, ou até mesmo antes de começar alguma coisa, o Sam sabia que eu também amava outras duas pessoas: o Stephen e o Angelo. Eu nunca escondi nada, até porque eu não conseguia deixar de sentir o que sentia. E eu amava cada um, inclusive ele, de maneiras completamente diferentes. São almas diferentes, de momentos diferentes, e que me agregavam de maneiras diferentes. Então, nós decidimos não rotular nada e viver o que esse amor estava nos presenteando. Afinal, ele era meu presente, o que estava acontecendo naquele tempo/espaço do aqui/agora. 
Depois de 6, quase 7 meses nos conhecendo, meditando, ensinando e aprendendo, depois de ter dito e esclarecido como eu via o amor, como recebi a teoria, o que já tinha acontecido e o que poderia vir a acontecer, nós decidimos experimentar namorar. E foi uma linda experiência! Ele foi parte da minha cura feminina, do momento que estava descobrindo minha força, assumindo minha mediunidade, ele acolheu e deu suporte para que eu não duvidasse de mim e de tudo que estava acontecendo. Nós experienciamos incontáveis situações extremamente espirituais e inexplicáveis. De ver anjo, óvni e número no céu. Sei que temos uma missão juntos na Terra, minha mentora pleiadiana e o índio dele... Nós já trabalhamos juntos algumas vezes e vimos como é forte. E uma coisa curiosa aconteceu: eu não deixei de sonhar com o Stephen e o Sam começou a sonhar com ele também. Nós somos muito sensíveis e de alguma forma os dois sabiam que isso iria acontecer.
Nesse meio tempo aconteceu minha viagem ao Peru que literalmente me fez trabalhar o chakra raíz e me conectar com a força da Terra, de Pachamama, a mesma que um ano atrás tinha me falado desse resgate. Tudo veio acontecendo para que eu cada vez mais assumisse minha essência e meu propósito. Fechei o ano de 2017 com a sensação de que um ciclo finalmente tinha se fechado. Mudei de casa, a casa da Lua, com as minhas deusas, me formei em psicologia, estava animada com a teoria e onde ela poderia me levar, queria começar um grupo de política e o Luz da Consciência estava crescendo com o Desafio dos Mantras e as Meditações online. Falando nisso, 2017 foi um ano onde eu realmente usei minha espada, minha palavra, abri portais nos dias de eclipses importantes e no alinhamento planetário. Foi um ano de deixar Semear.
Em fevereiro de 2018, as sementes começaram a crescer e a teoria pedia uma prática. Eu estava começando a atender com o T.R.E.E- Terapia Reconectiva Energética Essencial - presencialmente (na época nem tinha nome ainda) e senti que precisava fazer com o Stephen. Convidei-o para meditar comigo no facetime e ele aceitou. Essa seria a segunda vez que a gente ia se ver. A primeira foi em 2016, quando eu mandei energia e ele estava doente. Conversamos um pouco e ele me contou que se sentia desconectado com ele mesmo, com o Todo, e foi aí que eu tive a confirmação do porque eu sentia que precisava fazer uma sessão de T.R.E.E com ele, afinal serve justamente para reconectar com a Energia Essencial Criadora! No final, ele me disse que sentiu sair do corpo e ir para um lugar onde tudo se conectava, onde ele se sentiu totalmente livre e que agora estava com uma vontade enorme de sair para caminhar e integrar. Quando desliguei a ligação: 

"Evy... foi incrível. Eu acho difícil me expressar pelo facetime, mas você é tipo, um anjo. Obrigado por me levar a um lugar tão lindo".
Vocês que acompanham meu blog sabem da minha ligação com anjos né? Pois é, ele não sabia. Mas sabia. HAHAH Ele sentiu.
À partir daí, comecei a atender as pessoas à distância também. Vi que a energia do amor, da cura, da conexão transcendem o espaço-tempo.
Em março o Angelo veio me visitar e ele sempre soube de como eu amava e nós compartilhamos da mesma ideia. Fiz T.R.E.E com ele também e foi um resgate da criança interior muito lindo, eu vejo nele a minha criança. Talvez até o veja como um irmão... nossos sobrenomes até se parecem: Bonani e Bonini. Talvez sejamos da mesma família de anjos, né Angelo? Sinto tanta inocência e pureza fluindo dele... boniteza de alma.
10 meses de um relacionamento super saudável com o Sam, mas que chegou num ponto onde ele viu que ele não via o amor como eu... e então nos despedimos como namorados, para um novo capítulo das nossas vidas. E eu vou ser eternamente grata por esse Sol que iluminou minha vida com sua alegria e entusiasmo. Ele carrega o amor e a doçura no olhar. E espero que não desapareça da minha vida.
Abril eu decidi focar em criar um projeto para o dia de imersão na casa da lua para o resgate do sagrado feminino. Diferente da primeira vez que terminei um relacionamento, agora eu estava madura, segura e confiante, pois não me faltava nada. Eu me via inteira, suficiente e completa. E até mesmo os sonhos com o Stephen, que insistiam em não me deixar, eu já estava ficando cansada. Tive um sonho onde eu e ele estávamos no meio da rua, ele vinha pra me beijar e eu o empurrava, enquanto a gente ria. Acordei puta... Esse ato de empurrar era a sensação mesmo que eu tinha acordado, eu não aguentava mais só sonhar. Acordei e decidi meditar para não começar meu dia mal. Agradeci por tudo, por todos, fui me enchendo de gratidão até que eu senti meu corpo inteiro vibrar e foi aí que me veio o rosto do Stephen, como se a gente tivesse cara a cara. A única coisa que consegui fazer foi oferecer meu amor e gratidão pela existência dele, era isso que eu sentia, um profundo amor simplesmente por saber que ele existe. E depois escrevi uma carta com 7 páginas expressando como o amor estava me ensinando sobre tudo. 
DOIS DIAS DEPOIS:

DOIS DIAS DEPOIS ele me manda mensagem dizendo que eu apareci na meditação dele ENSINANDO SOBRE O AMOR.
Eu não sabia o que eu tinha ensinado, mas eu tinha aprendido que o amor é Luz, e luz é paradoxo. Amor transcende dualidade, tempo-espaço, contradições. Amor é a entrega ao desconhecido por confiar no fluxo divino. Amor é aprender a reconhecer a importância da paciência e como tudo tem seu momento. Amor é não se ver mais separado, fragmentado, dividido. Amor é unidade, conexão. Amor é consciência. Deus é Amor. Nós somos amor. Amor é a Fonte! Autoconhecimento leva ao amor próprio, o próprio amor de Deus. Amor é livre, como o ar, é tudo. Amor é liberdade, libertador é libertar-se. Amor é escolha, possibilidade, livre-arbítrio. Amor é cuidado, cura, sentido e direção. Amor é missão. Amor é o Todo, Amor é nossa essência. E com esse Amor transbordante em mim eu só queria doar.
Dia 1 de maio foi o dia escolhido para o dia de imersão e meu deus, que encontro maravilhoso! Eu me doei por completo. Doei meu conhecimento, minha energia, até almoço pra gente eu fiz. Meditamos, choramos, nos rendemos e integramos mais uma parte da Deusa em nós, naquelas mulheres que ali estavam se reconhecendo também mulheres completas em si mesmas. Terminamos a imersão bebendo vinho e, quando acabou, eu vi que o Stephen tinha lançado a música "Man that I'll miss". 

E foi nesse dia que eu contei tudo...
Tudo que vou contar no próximo post porque esse já tá grande demais. Então fiquem ligados nas cenas dos próximos capítulos.
Flws

You May Also Like

0 comentários